Joana de Sousa

imagem

Aka Joana Luna

Natural de Vila do Conde, nasceu a 30 de Janeiro de 1985.

Ao longo dos seus 18 anos de carreira teatral participou como atriz em “Diz Contos”, de Francisco Cruz, encenação de Anabela Garcia (2001); “Despropósitos”, de Francisco Salgueiro, co-encenação de Joana de Sousa e Francisco Cruz (2003); “Delfina”, de Susana Poujol encenação de Eduardo Faria (2005); “Passagem”, de Pedro Eiras, encenação de Eduardo Faria (2007); “Leitor à Hora”, de José Sanchis Sinisterra, encenação de José Gonçalinho (2007); “Sede”, texto e encenação de Joana Soares (2008); “Metades”, criação coletiva, encenação de Eduardo Faria (2012), todas produções da Varazim Teatro. “Queima do Judas”, direção de Pedro Correia, pela Nuvem Voadora (2012); “A trilogia Tragédia de Prósfygas” (2016); “A Fada Oriana” (2016); “Do 1 ao 4 sem molhar o Sapato” (com dramaturgia sua). Pela Companhia Certa interpreta “A Prudência Morreu de Velha” (2018); “Sou Minha Própria Paisagem” (2018); “1 Planeta & 4 Mãos” (2019); “#hashtagnatal” (2019) e “Bichos” (2020) com encenação de José Caldas.

Assume em 2017 a Direção de Produção da Varazim Teatro.

Frequentou diversas formações salientando-se Teatro Plástico, por Liliana Rosa, Teatro do Gesto, por José Carlos Garcia; Teatro de Luz Negra por Cengiz Ozek e Eu e o Outro, por Miguel Seabra.